Depoimento de Deke Richards


''No verão de 1969, eu trabalhava há alguns anos como compositor e produtor da Motown Records em Los Angeles, quando Berry Gordy convidou alguns funcionários para ver um novo grupo no Daisy Club no Rodeo Drive.

A primeira vez em que eu ví o Jackson Five

''Minha mandíbula caiu no chão. Eu não sabia como responder a Frankie Lymon, James Brown e Jackie Wilson retratados no mesmo cara, ao mesmo tempo.

Isso era possível? Isso era realmente possível? Eu estava a menos de seis pés desses cinco jovens jovens de Indiana e posso lhes dizer agora: Sim. Essa era a Palavra de Deus.

Se em alguma vez em sua vida, você ouviu um jovem artista cantar com todo seu coração, independentemente de quem fosse e de onde aconteceu, eu garanto: a experiência não foi nada comparada à noite em que eu vi Michael Jackson e seus quatro irmãos. 

Quando o desempenho acabou, todos sabiam que tinham testemunhado algo muito especial; algo como um milagre, e o mais próximo de um fenômeno. Eu não sabia que eu ia produzir o grupo até que o fundador da Motown, Berry Gordy, meu mentor, me levou a conhecê-los.

"Este é um dos nossos maiores produtores da Costa Oeste, Deke Richards", BG disse a eles. "Ele vai ser responsável por conseguir um sucesso de imediato.''

"É?", Pensei comigo mesmo. Perfeito. Eu tentei afastar dizendo que o show foi ótimo. Os meninos eram cordiais, mas até hoje estou convencido de que ficaram atordoados porque o presidente de sua gravadora havia escolhido um homem branco para ser seu produtor de heróis.

Mas Berry sabia uma coisa que eu não sabia: que a canção que eu havia feito recentemente para o Gladys Knight & the Pips iria levá-los direto ao Billboard Top 100. Precisava ser trabalhado, mas essa música, I Wanna Be Free, eu liguei - essa música foi um sucesso.

Michael aprendeu rapidamente. Era como uma esponja, absorvendo tudo. Poderia tomar uma parte que eu tinha dado a ele e cantar perfeitamente; ele até me deu uma linha que era melhor que a que eu tinha dado a ele. Isso me fez desejar que outros artistas fossem tão capazes quanto ele. E ele tinha apenas 11 anos de idade. Aos 12 e 13 ficou bastante descontraído. Por mais que fosse bom, Michael queria ser melhor; até finalmente se tornar o melhor.

Nunca pensei em Michael como uma criança. Talvez esse tenha sido meu erro. Para mim, ele era um profissional completo, só que ele era jovem e pequeno. Quando ele não estava gravando no estúdio, ele se sentava atrás do console e tirava fotos de mim e dos outros, enquanto eu trabalhava na sala de controle. [Essas fotografias se perderam, entre outros pertences, destruídos em uma lareira no meu estúdio de Hollywood.]

Trabalhar com crianças tornava difícil estabelecer tempos de repouso. Michael provocava os outros ou fazia barulho enquanto gravávamos, ou derramava sua bebida em Jermaine. Isso significava que Mike estava correndo ao redor do estúdio perseguido pelos outros, às vezes fora da porta, fones de ouvido batendo e microfones pendurados.

Eu poderia retomar o controle, mas quando as coisas ficaram muito selvagens, minhas instruções eram simples: pegue o telefone e CHAME O PAPA JOE.

Joe dizia: "Coloque Michael no telefone.'' Cinco minutos depois, eles voltaram para o trabalho. [Embora, honestamente, não importava o quão sério eu fosse, em muitas ocasiões me surpreendi rindo baixinho.]

Mas naquela época, todos nós éramos muito jovens. Nenhum de nós, exceto Berry, era casado e tinhamos filhos. Então, na maioria das vezes, realizávamos turnos duplos e triplos no estúdio com uma coisa em nossa mente: criar um sucesso.

Ele tinha grandes planos para todos os caras. Jermaine estava a caminho de um par de voos de teste nos lados B que o fariam decolar sozinho. Gravamos um ótimo LP com Jackie e fizemos um LP instrumental para Tito. Eles eram muito talentosos e, apesar de estar envolvidos com crianças, foi um prazer trabalhar com eles. É assim que eu me senti trabalhando nesta coleção especial. Nada poderia me fazer hesitar, porque é realidade.

Quando terminamos I Want You Back, Berry e eu estávamos em uma das pequenas salas de mixagem nos estúdios RCA de Hollywood. Estávamos lutando para obter o melhor desempenho de todo o mundo. Fiz tudo o que pude com cada grama de energia e todo conhecimento que aprendi com ele e com meu mestre Russ Terrana, o melhor engenheiro da Motown.

Foi depois da meia-noite, quando tudo estava calmo, mas Berry não se importou: ele telefonou e acordou Phil Jones, diretor do departamento de vendas, para rever as informações necessárias para a gravadora. 

Phil tinha apenas uma última pergunta: "Qual será o nome do grupo?" Ele perguntou. 

Houve uma pausa e Berry se virou e disse: "É seu bebê, Deke. O que você quer que eu diga, Jackson Five escrito com um número ou com uma letra?"

Ele me surpreendeu.

"Bem", eu disse, "como os Four Tops têm seus nomes escritos?"

B. G. respondeu: "O 4 está escrito assim: QUATRO.

Eu disse: "Ok, então eu quero que os meninos tenham o número 5."

É uma coisa pequena, mas sempre vou saber que eu lhes dei esse número "5".

[O engenheiro que fez o modelo mestre para levá-lo para casa tinha ouvido a conversa e escreveu no rótulo: "JACKSON V", usando o número romano. Eu ainda tenho esse material.]

Berry e eu deixamos o estúdio naquela noite como dois estudantes que acabavam de passar no exame final.''

Deke Richards
*Deke Richards, falecido em 2013, foi um compositor e produtor, notável por ser um membro da Corporação, a equipe de produção [foto abaixo] que escreveu e produziu os primeiros sucessos do Jackson 5, incluindo I Want You Back, ABC, The Love You Save, Mama's Pearl e Maybe Tomorrow.


Nota do blog: Sabemos que o Jackson Five se afastou da gravadora Motown, posteriormente, em busca de liberdade de criação e visando um público mais adulto. 

Deke Richards comentou, em outra ocasião, que os produtores anteriores haviam aproveitado a habilidade do jovem Michael Jackson de cantar como um adulto. Mas ele tomou a abordagem oposta com o Jackson Five, inventando o "soul bubblegum" no processo [aquela música juvenil que ''cola'' no ouvido!]. Ele disse:

''Eu sabia que alguém iria tentar tirá-los da caixa assim que pudesse, para torná-los mais maduros. Nós temos muitos artistas maduros lá fora! Mas não havia tantos jovens artistas que pudessem cantar como crianças. Havia algo tão mágico sobre isso. Eu queria manter o tempo que pudesse.''

Fonte do depoimento: http://mjhideout.com

3 comentários:

  1. Consegui imaginar o Mike correndo pelo estúdio, provocando os outros hehehe... era um danadinho nosso menino!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Papa Joe colocava medo na galera..rs

      Excluir
  2. Põe medo nisso hehehe... que barbaridade!

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...